Monday, March 19, 2007

Cretinice humana

Tinha oito anos, a minha mãe foi buscar-me ao colégio mais cedo. Era o Dia do Pai e o meu tinha morrido há menos de um mês. Fomos ao cemitério para eu lhe levar uma flor, mas o porteiro não nos deixou entrar - passava um minuto da hora. A minha mãe explicou uma e outra vez, num dos poucos esforços verdadeiramente maternais de que me lembro. Nada feito. Fiquei à porta. Nesse dia, descobri a imensa estupidez e cretinice humana. Foi há 23 anos.

2 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Contra a cretinice humana, há pessoas como tu! Lindas...
Generosas, capazes de comprar um frango para dar a quem tem fome. És uma raridade, pelo simples facto de seres humana!

Wednesday, March 28, 2007 at 11:12:00 AM PDT  
Anonymous dora said...

Essa história corta o coração. Não podendo eliminar essas pessoas do mundo, podemos apenas ter dó delas, ter a alma gelada deve doer mais do que tê-la aquecida.

Thursday, March 29, 2007 at 6:26:00 AM PDT  

Post a Comment

<< Home